Como o marketing digital pode impulsionar o seu negócio

Se o seu cliente está na internet, a sua empresa precisa estar também — mas não de qualquer maneira. É aí que um conjunto de estratégias e ferramentas faz toda a diferença para que a marca, mais do que vender produtos ou serviços, gere conexão com as pessoas

Por Tarcisio Alves
REDATOR E COPYWRITER

Nunca se falou tanto em marketing digital. E isso faz total sentido.

Principalmente para as empresas.

O raciocínio é simples: as pessoas estão conectadas. Quase que o tempo todo.

Segundo a pesquisa TIC Domicílios, divulgada no final do ano, 70% dos brasileiros usam a internet. Isso inclui metade da população rural.

E a grande maioria dos acessos (97%) é feita por meio de smartphones.

Então, se os clientes em potencial estão na internet — e, mais especificamente, nesses gadgets —, os negócios precisam estar também.

Mas há que se ressaltar: não é suficiente estar na internet (leia-se “de qualquer maneira”). Será muito mais proveitoso marcar presença no ambiente virtual de forma estratégica.

É aí que muitos empreendedores ficam perdidos e não sabem para que lado “atirar”, na hora de divulgar sua marca: anunciar no Google ou no Facebook (ou nos dois)? Vale a pena fazer isso sem, antes, pôr no ar um site atraente e responsivo (que rode no mobile e em qualquer dispositivo)?

E é aí que o marketing digital entra como divisor de águas, trazendo um conjunto de estratégias e ferramentas que respondem essas e outras questões, além de fazer o principal: gerar conexão entre marcas (produtos ou serviços) e seu público potencial.

E, claro, aumentar o número de clientes e de vendas.

Daí a relevância do marketing digital, hoje, para todos os tipos de negócios, inclusive os físicos.

Foto: Reprodução/Internet

Mire-se no exemplo das organizações exponenciais

Se você é dono de um negócio, seja ele baseado no ambiente físico ou virtual, já deu para notar que é perda de tempo querer lidar com potenciais clientes da Nova Economia usando a mentalidade da Velha Economia.

Porque, mesmo ao visitar uma loja física, o consumidor está mais exigente. Por um simples motivo: ele está conectado — e mais informado.

O cliente quer ter a mesma experiência com a marca sempre.

Esse é um termômetro de que você precisa atualizar seus conhecimentos também, se quiser alcançar resultados exponenciais.

Basta olhar para as as organizações exponenciais (também chamadas de ExOs), que, em resumo, crescem 10 vezes mais rápido e a um custo infinitamente menor que as organizações regulares.

Esse fenômeno está ligado, em sua essência, à experiência do cliente.

Já parou para analisar por que as fintechs ameaçam o reinado dos grandes bancos, conquistando milhões de clientes?

Porque, por mais que essas empresas (em sua grande maioria, startups) se formem no ambiente digital, elas nunca perdem de vista a conexão com as pessoas. São organizações que existem, em suma, para resolver problemas que as pessoas enfrentam no dia a dia, no mundo real.

São pessoas se conectando a pessoas, e o marketing digital entra como mediador nesse processo, para conscientizar potenciais clientes de um problema e mostrar que determinada marca tem a solução para ele.

E, no final do processo, ocorre a conversão (ou a venda).

Então, em primeiro lugar, é preciso entender que o marketing digital faz parte de um contexto mais amplo, que é a transformação digital. Que, por sua vez, vai além da adoção da tecnologia pelas empresas.

A transformação digital está presente em tudo.

Foto: Reprodução/Internet

Quem não olhar para o cliente ficará preso à Velha Economia

O fato é que, hoje, olhar para o cliente (e seus novos hábitos) é o ponto de partida para toda e qualquer ação de marketing (e da própria empresa).

Como diria um conhecido apresentador de TV, “mais do que nunca” o foco não pode estar na venda pela venda. Jamais!

Obviamente, toda organização está em busca dos melhores resultados. Mas isso não significa que esse deve ser o norte a ser seguido.

Embora seja fundamental analisar dados para tomar decisões e planejar ações — e esse é outro ponto de apoio que o empreendedor encontra nas ferramentas do marketing digital.

Percebeu a diferença?

É essa visão que separa negócios que ainda rodam na Velha Economia dos que operam de acordo com as práticas da Nova Economia.

Nova Economia que traz embutida conceitos como consumo consciente, sustentabilidade, mobilidade urbana, propósito

Não são apenas palavras jogadas ao vento. As pessoas estão ligadas nisso.

E essas pistas nos ajudam a compreender melhor por que empresas que lideram mudanças neste Novo Mercado alcançam um boom de vendas e se tornam cases de estudo.

Nada é por acaso.

Com alguns cliques, dá para acessar um universo de soluções no smartphone. Seu cliente consegue acessar as soluções do seu negócio por aqui?


Aqui cabe abrir um parêntese.

Se, nos anos 1990, os computadores foram alçados à condição de eletrodomésticos (extrapolando os muros das empresas e invadindo as residências), os celulares tornaram-se quase que “braços direitos” das pessoas. 

Os dispositivos móveis acompanham a gente não só em casa, mas em qualquer lugar. E a qualquer hora.

A popularização da internet turbinou a evolução dos celulares, que se transformaram em verdadeiros computadores portáteis.

O fato é que os smartphones deixam a vida muito mais prática.

Do ponto de vista de quem tem um negócio ou quer empreender, a grande sacada é acompanhar a mudança de comportamento facilitada pela tecnologia.

São novos hábitos que quem está à frente de um negócio não pode ignorar.

Com poucos cliques no celular, ficamos sabendo da previsão do tempo, pesquisamos o significado de uma palavra, encontramos um endereço, nos comunicamos através das mídias sociais, executamos pagamentos e operações bancárias (sem pegar fila!) e, ainda, efetuamos e atendemos ligações telefônicas.

Ah! E, claro, compramos. Cada vez mais, nós, brasileiros, fazemos compras através desses gadgets.

Se o seu negócio não cabe em um celular, desculpe a sinceridade: ele está fadado a desaparecer do mercado.

Foto: Reprodução/Internet

Pelo menos metade dos brasileiros faz compras online, e esse número só vai aumentar

Hoje, praticamente metade dos habitantes do País utiliza smartphones para fazer compras. 

Segundo a pesquisa Global Consumer Insights 2019, conduzida pela consultoria PwC, nos últimos seis anos, o número de brasileiros que disseram realizar compras usando o dispositivo pelo menos uma vez por mês saltou de 15% para 50%.

Pesquisa realizada pela Ipsos a pedido da empresa de pagamentos online PayPal, também divulgada no ano passado, reforça essa tendência, apontando que 76% dos consumidores utilizam dispositivos móveis para compras ou pagamentos online.

A conclusão disso é que, se você não for atrás do seu cliente de forma estratégica e se conectar, de modo que ele se identifique e sinta confiança no seu negócio, dificilmente irá admirar sua marca ou comprar seu produto ou serviço.

Resultado: você estará cada vez mais distante de conseguir um boom de vendas (na verdade, você nem mesmo conseguirá despertar a atenção do cliente nem atraí-lo, muito menos conquistá-lo).

Pois é… Não dá para escalar um negócio assim, muito menos esperar resultados diferentes fazendo sempre as mesmas coisas.

Foto: Reprodução/Internet

O empreendedor precisa entender de marketing digital tanto quanto da gestão do negócio

Ao dominar as estratégias e ferramentas do marketing digital, o empreendedor dá um passo importante no sentido de impulsionar o seu negócio e alcançar os resultados almejados. Ou, melhor ainda, resultados extraordinários.

Mesmo que você não cuide diretamente dessa área e supondo que você contrate uma agência ou um especialista em marketing, você saberá exatamente quais ações devem ser feitas.

E por que elas dão ou não resultado.

Se, hoje, você não tem um funil de vendas (para entender como o seu cliente acessa a sua empresa e chega aos seus produtos ou serviços) nem mantém um plano de comunicação com (fornecendo conteúdo de qualidade para seu público potencial) vai ser difícil conquistar clientes e, mais que isso, fãs da sua marca.

Que, depois, irão indicá-la a outras pessoas, proporcionando um crescimento exponencial.

Simples assim.

Um bom curso sempre ajuda. Então, aqui vai uma dica…


Uma dica para quem não sabe por onde começar no marketing digital é fazer o curso do Método NOS — Negócio Online de Sucesso.

Criado pelo empreendedor digital e CEO da edtech de negócios Be Academy, Bruno Pinheiro, o NOS é composto de 6 etapas que ensinam a construir um negócio online de sucesso e fazer vendas todos os dias, utilizando ferramentas de marketing digital.

Clique aqui para saber mais sobre o Método NOS.

Do ponto de vista estratégico, essas e outras ações visam a incrementar a experiência do cliente com a marca, na busca incessante por surpreendê-lo e encantá-lo.

Seja no ambiente físico, seja no virtual.

Na loja, no site, no mobile…

Porque, no fim das contas, apesar de todo o aparato tecnológico, são pessoas querendo resolver problemas de… pessoas!

E pessoas dispostas a pagar por essas soluções.

É sobre isso que versa o marketing digital.


Não pare por ai!
Veja mais