19 mar 2019

A afirmação é de Bruno Nardon, fundador e sócio da Rappi Brasil, maior aplicativo de delivery on-demand e hiperconveniência da América Latina, que participou do evento Be Talk, da be.academy

POR TARCISIO ALVES
REDATOR E COPYWRITER

Durante décadas, o chamado “horário nobre” da TV aberta foi o filé da propaganda. Era, mais ou menos, das 18 horas à meia-noite que as emissoras registravam seus maiores índices de audiência. Portanto, às marcas que desejavam alavancar as vendas — e dispunham de budgets generosos —, bastava anunciar naquele espaço para atingir seu público ou grande parte dele.

Hoje, embora ainda exista e cumpra um papel fundamental no faturamento das emissoras de TV, o “horário nobre” encolheu em nível de importância, ao passo que outros espaços de divulgação ganham destaque.

“O ‘espaço prime’ não corresponde mais ao ‘horário nobre’ da TV. Ele agora está na internet.” A afirmação é de Bruno Nardon, fundador e sócio da Rappi Brasil, maior aplicativo de delivery on-demand e hiperconveniência da América Latina. Ou, em bom português, o app que faz entrega de TUDO — tudo mesmo, até de pedidos inusitados, como “três cocos naturais e abertos” ou “dois acarajés de uma barraca na esquina do supermercado X”.

Bruno Nardon foi o convidado de seu xará, Bruno Pinheiro, fundador e CEO da be.academy, a sua EdTech de negócios, em uma das mais recentes edições do Be Talk, série de bate-papos sobre empreendedorismo que traz à sede da escola de negócios, no bairro do Itaim-Bibi, em São Paulo, grandes nomes do ecossistema que está revolucionando o Brasil e o mundo.

Seu cliente está na internet e é lá que você tem que estar

De fato, boa parte dos brasileiros não para mais na frente da televisão nem para ver novela — produto que, também durante décadas, reinou absoluto na preferência nacional no quesito “entretenimento”.

Hoje, as pessoas ligam o televisor muito mais para navegar na internet, jogar videogame, assistir a séries no Netflix e em outros serviços de streaming… Resumindo, elas estão consumindo outros conteúdos, e é aí que as marcas precisam estar atentas e marcar presença, utilizando estratégias eficazes de marketing digital, como faz a própria Rappi Brasil.

Como costuma dizer Bruno Pinheiro, “se o seu negócio não está na internet, ele estará fora do mercado em pouco tempo”. Sem falar que, hoje, não basta somente estar na internet, mas, justamente, aplicar essas estratégias de forma adequada para ter sucesso.

Ouvir o cliente é chave para inovação

Vale lembrar que as estratégias não são estáticas. Elas precisam ser ajustadas, reinventadas ou criadas a partir do absoluto ZERO, à medida que os problemas surgem no dia a dia das empresas e, mais do que isso, quando os clientes exigem mudanças.

“A Rappi inova ouvindo os clientes. Essa é uma lição muito importante: saber o que eles querem”, ensinou Bruno Nardon durante o Be Talk. Foi assim que a empresa de origem colombiana, recém-chegada ao Brasil, driblou problemas como as diferenças nas leis trabalhistas, além de convencer parceiros, entregadores e usuários de que o serviço a ser lançado era confiável.

Para conseguir os primeiros 200 entregadores e realizar o trabalho num raio de apenas 2 km, em São Paulo, ele conversou com motoqueiros pessoalmente e até entrou em grupos de WhatsApp para que estes prestassem serviço na plataforma.

Fez também panfletagem nas ruas, com a ajuda de colaboradores, para divulgar a nova marca. Foi um verdadeiro trabalho de formiguinha para validar no mercado a empresa, que cresceu à medida que a confiança no serviço se estabelecia e as vendas se concretizavam.

Do ZERO ao UNICÓRNIO: um caso real

Mas poucos acreditavam que a Rappi cresceria de forma tão rápida e, principalmente, sustentável. Por esses e outros motivos a empresa pode ser considerada um caso emblemático entre startups que saíram do zero e se transformaram em UNICÓRNIO — em julho de 2018, a Rappi passou a ser avaliada em mais de US$ 1 bilhão.

A história de Bruno Nardon é similar às de muitos empreendedores que, hoje, batalham pelo sucesso de seus projetos. Muita gente não sabe, mas seu primeiro negócio naufragou. Foi em 2010, quando ele saiu da faculdade de engenharia mecânica e começou a desenvolver um marketplace na área de educação, com o objetivo de conectar alunos e professores via internet.

Nardon dedicava-se a esse projeto fora do horário comercial, das 10 h da noite às 2 h da manhã. Trabalhava incansavelmente. No entanto, apesar de todo o esforço, o negócio não decolou.

Olhando para trás, Bruno Nardon diz que “a teoria é diferente da prática” e que, por isso, errou mais do que acertou em muitas coisas nesta sua primeira empreitada. Um dos erros era projetar que o custo por clique no Google seria de R$ 0,10, mas se aproximava de R$ 1. Da mesma forma, a taxa de conversão estava bem abaixo do esperado e, em vez de 10%, girava em torno de apenas 1%.

Ele não dominava (ainda) estratégias eficazes de Marketing Digital.

Errar não significa o fim, ao contrário

Com a ajuda de um fundo de investimento, Bruno Nardon tornou-se sócio do e-commerce Kanui. Nos primeiros 6 meses, a marca quase quebrou. Nardon tinha motivos para desistir, mas preferiu aprender com os erros e seguiu em frente. Resultado: a Kanui foi do zero ao breakeven (quando há um equilíbrio das contas) em dois anos e meio, até fundir-se com a Dafiti, em 2015, consolidando-se como o maior e-commerce de moda da América Latina.

Nesse período, Nardon conheceu os fundadores da empresa colombiana Rappi, tornou-se sócio deles e trouxe o negócio para o Brasil. Em menos de 2 anos de operação, o Rappi já contabiliza milhões de pedidos, executados por mais de 20 mil entregadores — e não só em São Paulo, mas em outras cidades do Brasil.

Ter acesso às ferramentas adequadas em marketing digital pode fazer toda a diferença para o sucesso de um empreendimento. Sobretudo porque, hoje, o cliente está na internet, sendo preciso dominar essas ferramentas e saber aplicá-las para atingir o público, fazer vendas todos os dias e escalar o negócio.

Muita gente que já é dona de um negócio ou pretende empreender ainda está perdida com relação a que caminho seguir para desenvolver uma empresa que seja perene e tenha valor de mercado.

Mas o fato é que, assim como aconteceu com o Bruno Nardon, é possível sair do zero e criar uma startup com alto valor de mercado — quem sabe, até, um UNICÓRNIO.

Bruno Nardon conseguiu fazer isso, inclusive, mais de uma vez. Hoje, ele é um dos principais mentores do empreendedorismo no Brasil e dividirá seu conhecimento com os alunos da be.academy.

Uma oportunidade acessível a empreendedores comuns

A be.academy chega ao mercado com um time de professores (que são, na verdade, muito mais facilitadores) composto pelos fundadores e principais executivos da maiores empresas do Brasil, um verdadeiro “dream team” de empreendedores.

Trata-se de uma escola de negócios capaz de formar empreendedores de verdade, com conhecimento técnico e prático para criar as bases de um negócio com alto valor de mercado.

No curso de MBA em Marketing e Negócios Digitais, Nardon será o facilitador na disciplina de Organizações Digitais e Exponenciais. Já no curso MBA de E-Commerce, será o responsável pelo conteúdo de Catálogo de Produtos. Os cursos estão disponíveis nas modalidades Presencial e Online.

É por isso que você também pode saber como criar os pilares de uma startup com alto valor de mercado. Trata-se de uma oportunidade que está acessível a empreendedores comuns. É uma iniciativa inédita no Brasil e um verdadeiro “espaço prime” na área da educação em negócios.

Você já cometeu erros em seu negócio e também aprendeu com eles? Conte para a gente na seção de comentários!

Leave your thought