11 abr 2019

“Um bom conteúdo gera mais vendas do que o tradicional ‘compre, compre, compre’…”, diz Michelle Schneider, gerente de Vendas e Publicidade do LinkedIn, maior comunidade profissional do mundo e cada vez mais acessada por pessoas que buscam informação — e não vagas de emprego

POR TARCISIO ALVES
REDATOR E COPYWRITER

O que você tem feito para alavancar as vendas do seu negócio? Essa é uma questão fundamental para ampliar o faturamento e melhorar os resultados da empresa. Em tempos de transformação digital, não tenha dúvida de que, cada vez mais, você terá que se empenhar para atrair seu cliente… na internet.  Um estudo feito pela Mckinsey, em parceria com o Brazil at Silicon Valley, aponta que o País tem 67% da sua população conectada à rede mundial de computadores.

Dentro desse universo, as mídias sociais cumprem papel de destaque, sendo, hoje, o espaço virtual onde há maior (e mais imediata) interação com o público. São canais de comunicação efetivos, onde é possível publicar conteúdos sem, praticamente, nenhuma intermediação e, ainda, receber feedbacks muitas vezes imediatos.

Nessas plataformas, é possível não só se relacionar com quem consome (ou pode vir a consumir) seus produtos e serviços, mas também construir autoridade/reputação, informar sobre novidades do seu negócio e manter-se atualizado a respeito das tendências de mercado.

Não é à toa que muitas empresas mantêm uma equipe ou contratam uma agência para ações de marketing digital. Assim, veicular conteúdo no Instagram, no Facebook, no YouTube ou no Twitter, entre outras redes, já faz parte da rotina dessa marcas.

Nem todas elas, porém, estão dando a devida atenção ao LinkedIn, maior comunidade profissional do mundo e cada vez mais acessada por pessoas que buscam informação — e não vagas de emprego.

Brasil tem 36 milhões de usuários

O LinkedIn é, hoje, uma das redes sociais que mais crescem no planeta, ganhando nada menos que dois usuários a cada segundo.

Os números mais recentes computam 610 milhões de pessoas cadastradas na plataforma, sendo 36 milhões delas no Brasil. Somos a quarta maior audiência do mundo, atrás de apenas de China, Índia e EUA. E um detalhe importante é que os brasileiros mostram-se 14% mais ativos que a média mundial.

Essa atividade não se resume a pesquisas por vagas, ao contrário. “Antes, as pessoas entravam no LinkedIn para buscar emprego. Hoje, elas entram muito mais para consumir conteúdo”, afirma Michelle Schneider, gerente de Vendas e Publicidade do LinkedIn no Brasil.

Mais do que isso, de acordo com Michelle, 71% dessas pessoas usam as informações do LinkedIn para tomar uma decisão de negócios. A executiva falou a respeito desses e outros pontos em uma recente edição do Be Talk — bate-papo sobre temas ligados a empreendedorismo, realizado na sede da EdTech de negócios be.academy, em São Paulo.

Michelle Schneider durante Be Talk na be.academy (Foto: Bruno Vinicius)

LinkedIn busca facilitar acesso a conteúdo

Michelle Schneider lembra que o LinkedIn tem como missão “conectar todos os profissionais do mundo para torná-los mais produtivos e bem-sucedidos” e o grande foco, agora, é “facilitar o acesso das pessoas ao conteúdo veiculado na plataforma”.

Vale ressaltar que, já há algum tempo, qualquer pessoa — sendo ou não uma referência em sua área de atuação — pode escrever artigos longos, sem limite de caracteres, para expor suas ideias sobre determinado tema.

Portanto, se você é empreendedor e ainda não está usando os recursos dessa comunidade para alavancar sua empresa, sem dúvida, está desperdiçando um espaço estratégico para trabalhar o posicionamento da marca, se destacar em meio aos concorrentes, fortalecer e expandir relacionamentos profissionais, além de, claro, gerar leads e oportunidades de negócios junto a um público altamente qualificado.

Em relação ao conteúdo, vale lembrar que, quanto mais qualidade ele tiver, maior será a tendência de aumento no número de seguidores e ,também, de engajamento. “Um bom conteúdo gera mais vendas do que o tradicional ‘compre, compre, compre’…”, observa Michelle, acrescentando que é possível, também, fazer anúncios segmentados na plataforma — fica a dica para quando for planejar suas próximas campanhas.

MBA em Marketing e Negócios Digitais

Paralelamente à sua atuação no LinkedIn, Michelle Schneider também quer dar a sua contribuição para o aperfeiçoamento profissional de empreendedores. Por isso, topou fazer parte do time de facilitadores de conteúdo — como são chamados os professores na be.academy —, sendo responsável pela cadeira de Social Business no MBA de Marketing e Negócios Digitais.

Se você tem interesse em passar para o próximo nível no mundo dos negócios, estando em contato com quem faz acontecer na nova economia, esse é um caminho.

Voltando à pergunta inicial deste artigo, o que você tem feito para alavancar as vendas do seu negócio? Escreva seu depoimento na seção de comentários.

Leave your thought